Locais fascinantes que parecem um portal para o submundo

Existem lugares no planeta que parecem portais para outro mundo, devido à enorme profundidade. Alguns são obras da natureza, outros foram construídos pelo Homem, mas todos são impressionantes.

Por vezes, na superfície da Terra, existem abismos de vários graus de profundidade que parecem conduzir diretamente ao submundo. Alguns destes locais são assustadores e perigosos enquanto outros são apenas fascinantes e encantadores. Enquanto alguns ainda despertam curiosidade cientifica, outros têm uma história bem conhecida. Todos eles, no entanto, atraem turistas do mundo inteiro que não se cansam de os visitar.

Existem muitos tepuis (montanhas de topo plano) localizados no território da Venezuela. Há centenas de anos, enormes buracos formaram-se neles. Os maiores estão localizados no Monte Sarisariñama, no estado venezuelano de Bolívar.
Yasur é um vulcão ativo desde 2017, ano da sua última erupção, na ilha de Vanuatu. As tribos que vivem na ilha acreditam que existe uma divindade antiga a viver na cratera deste vulcão.
Localizado no norte da Califórnia, o vertedouro (canal responsável pelo desvio e escoamento das águas) impressiona qualquer um pela sua dimensão e poder. Foi construído há 50 anos e atrai turistas de todo o mundo.
Este poço foi construído com intenções nobres: fornecer água à cidade durante o cerco. A construção começou em 1527, quando o Papa Clemente VII se estabeleceu em Orvieto, após o saque de Roma.
A Cratera de Darvaza, também chamada de Porta para o Inferno, é um campo de gás natural localizado em Darvaza, Turquemenistão. O fogo que foi aceso em 1971 e ainda não se apagou.
Belize
Este buraco azul foi formado naturalmente e atrai mergulhadores ávidos por causa do seu mistério. No entanto, muitos perdem as vidas aqui, o buraco tem até o nome não oficial – “cemitério dos mergulhadores”.

Uma expedição  a Blue Hole Belize 2018 alcançou o seu objetivo de sondar o fundo do Grande Buraco Azul, um dos maiores buracos azuis do mundo, localizado no mar das Caraíbas, mais especificamente na costa de Belize. A equipa encontrou um “cemitério de moluscos” e várias garrafas plásticas. O abismo escuro, considerado Património da Humanidade da UNESCO, é uma pequena ilha oceânica de corais — atol —, medindo cerca de 300 metros de largura e 124 metros de profundidade. O misterioso buraco azul atrai a atenção de muitos turistas e mergulhadores, quer pela sua beleza, quer pelo interesse científico das características deste mundo oceânico que permanece, até então, como um mistério. Na expedição Blue Hole Belize 2018 participaram Richard Branson, fundador da Virgin Group e diretor da iniciativa Ocean Unite, Fabien Cousteau, oceanógrafo francês, Erika Bergman, oceanógrafa e capitã de submarino da Aquatica Foundation, e uma equipe de filmagem. A equipa desceu até ao fundo do mar para revelar o que guarda o seu interior. Os cientistas conseguiram mapear o fundo da famosa caverna submarina, recorrendo a ondas acústicas. Posteriormente, e com a ajuda de sensores, os investigadores criaram o primeiro mapa tridimensional completo do buraco azul. Mas as descobertas não ficam por aqui: a equipa descobriu ainda uma estalactite da época em que o nível do mar era 150 metros inferior comparativamente com o atual e o Grande Buraco Azul não estava ainda debaixo das águas, indicou Bergman no seu blogue pessoal. No fundo do misterioso buraco azul, a equipa de cientistas encontrou também um “cemitério de caracóis“, moluscos que morreram no abismo escuro depois de caírem na caverna e ficarem sem oxigénio. Os cientistas relatam ainda terem encontrado uma realidade preocupante: a presença de uma grande quantidade de garrafas de plástico no fundo do abismo azul. “Os verdadeiros monstros que o oceano enfrentam são as mudanças climáticas e o plástico“, lamentou Branson na sua página pessoal no Facebook. A expedição Blue Hole Belize 2018 será ainda mais detalhada num documentário que a INE Entertainment estreará no segundo trimestre deste ano. Créditos,

Big Hole, ou Grande Buraco, é uma cratera localizada na cidade de Kimberley, África do Sul. Trata-se uma enorme mina de diamantes inativa.
O vulcão Mutnovsky, contém uma caverna de gelo, está localizado na península de Kamchatka, na Rússia. O gelo está a derreter ativamente e a camada superior da caverna tornou-se muito fina.
Um túnel criado na barragem de Covão dos Conchos parece um poço sem fundo, mas é, na verdade, um sistema de escoamento de aguas.
É galeria subterrânea com uma escadaria em espiral por onde se desce até ao fundo do poço. A escadaria é constituída por nove patamares separados por lanços de 15 degraus cada um. Tem cerca de 27 metros de profundidade.
O Grande Colisor de Hadrões (LHC) continua a fascinar os cientistas. E por uma boa razão! Desta vez, os investigadores conseguiram contemplar um “portal para outro mundo” que pairava sobre este dispositivo ultrassofisticado.

O Grande Colisor de Hadrões (LHC), escreve o The Sun, voltou a intrigar os investigadores. Enquanto faziam uma experiência de rotina, o céu acima do laboratório mudou de cor abruptamente, e tornou-se vermelho escarlate pontuado por grandes manchas negras formadas por impressionantes redemoinhos de vento. Tudo isto levou os fãs de fenómenos sobrenaturais a assumirque tinha sido aberto um “grande portal para outro mundo” logo acima da Suíça.

No entanto, os investigadores foram rápidos a negar esta versão paracientífica. Segundo eles, este fenómeno não é sobrenatural, longe disso. É devido a uma das experiências que fizeram naquele dia: algo teria corrido mal enquanto tentavam recolher micropartículas. No final do ano passado, antes de o CERN (Organização Europeia de Investigação Nuclear) ter fechado o seu grande colisor de hadrões (LHC) para uma pausa técnica, duas equipas de cientistas anunciaram a descoberta de anomalias. pode sugerir a existência de uma nova e misteriosa partícula. Isto pode levar à descoberta de novas dimensões ou explicar o enigma da matéria escura e da energia escura, que compõem 95% do Universo, estimam os cientistas. O LHC, que inclui um túnel em forma de anel de 27 quilómetros, já confirmou a existência do bosão de Higgs, considerado a pedra angular da estrutura fundamental da matéria, em 2012.

Portal Maia da época pré hispânica

Há sempre muita preocupação, especialmente se os cientistas dizem que não há nada de errado. Brincando com efeitos físicos que não controlamos, o problema chega, mais cedo ou mais tarde. Lembremo-nos da experiência da Filadélfia…