Print Friendly, PDF & Email

Uma equipa de espeleólogos omans fez o que se acredita ser a primeira descida para o chamado “Poço do Inferno”, um enorme buraco sob o deserto no leste do Iémen.

 

A maravilha natural, que tem aproximadamente 30 m de largura e 112 m de profundidade, tem sido há muito evitada pela população local. Durante séculos acredita-se que ele guarda génios (como aqueles que vivem em candeeiros em contos tradicionais), e que ele pode amaldiçoar que ele entra lá. Na sua descida para o Poço Barhout, na província de Al-Mahra, a Equipa de Exploração de Grutas de Omã encontrou stalatalmites e pérolas das cavernas, que são formadas por sais de cálcio lavados longe da água da chuva. Lá em baixo também encontraram cobras e vários animais mortos, o que deu ao local um cheiro muito característico. Em Junho, as autoridades do Iémen admitiram que nunca tinham chegado ao fundo do poço e que não sabiam o que havia nas profundezas do misterioso buraco, que estimaram ter “milhões e milhões” de anos. “Fomos visitar a área e entrámos no poço, atingindo mais de 60 metros de profundidade”, disse Salah Babhair, diretor-geral da autoridade de investigação geológica e recursos minerais de Mahra. “Apercebemo-nos de coisas estranhas lá dentro. É uma situação misteriosa. Segundo eles, as autoridades deste país, muito pobres e em guerra, nunca exploraram o fundo do “poço”. “Entramos no poço. Atingimos mais de 50 a 60 metros de profundidade e sentimos coisas estranhas no interior”, explicou Salah Babhair, diretor-geral da autarquia responsável pelos estudos geológicos e recursos minerais. É um lugar misterioso, há muito tempo objeto de mitologia e folclore. Ao longo dos séculos, circularam histórias de figuras malignas, que viveriam dentro do poço, que alguns consideram ser o portão do Inferno. Durante séculos, lendas sobre espíritos malignos conhecidos como “djinns” que vivem neste “poço do inferno” foram passadas de geração em geração. A maioria dos residentes evita aproximar-se do buraco e até falar sobre isso, com medo que traga azar. “Alguns dizem que é onde apóstatas e não-crentes são torturados após a morte. Outros acreditam que as suas cabeças seriam decepadas assim que lá estivessem. A equipa recolheu amostras de água, pedras, solo e alguns animais mortos, que ainda não foram analisados. “Havia pássaros mortos, o que cria alguns odores maus, mas não havia um cheiro insuportável”, acrescentou.

O perito espera que as suas descobertas possam dissipar alguns dos mitos que cercam a caverna e outros locais semelhantes.

“Eu acredito que o ‘Poço do Inferno’ é uma caverna lendária. Agora, a caverna não deve ter nenhum outro nome além da área em que está.” Para garantir que não haja nenhum fenómeno demoníaco noutros locais semelhantes, Kindi planeia agora visitar a região de Hadramout, no Iémen, para investigar se um buraco semelhante poderia conter os segredos do submundo. “Não tenho dúvidas de que o de Hadramout também será normal, e até pequeno. Mas vamos descobrir”, rematou.

Conteúdo não disponível.
Por favor, guarde cookies clicando em Aceitar

close
Mantemos os seus dados privados mas não compartilhamos os seus dados com terceiros.

Leia a nossa política de privacidade.
A GDPR amigável.